Síndrome do Impacto Posterior do Tornozelo

 

 

O Impacto Posterior do Tornozelo é o contato inadequado de ossos e tecidos da região de trás (região posterior) do tornozelo. O osso tálus pode ser comprimido pela região posterior da tíbia (osso da perna), e os tecidos articulares e ligamentares da região também podem ser esgarçados pelos ossos. Dores e lesões no osso e nos tecidos moles acamam sendo o resultado.

 

Embora a Síndrome do Impacto Posterior do Tornozelo possa ter uma origem traumática, na maior parte das vezes ela acontece devido aos repetidos movimentos de flexão plantar (ponta de pé) realizada nos esportes ou em determinadas atividades do dia-a-dia. Jogadores de futebol, bailarinas e trabalhadores que usam pedais são algumas das atividades que predispõem os indivíduos a essa lesão.

 

Duas alterações ósseas que podem estar presentes e favorecerem o impacto são o processo de Stieda, que é uma proeminência óssea na região posterior do tálus, e o “os trigonum” que é um “pequeno pedaço de osso”, que na verdade deveria estar formando o processo de Stieda. Essas alterações favorecem o impacto do tálus contra a tíbia no movimento de flexão plantar (ponta de pé).

 

Além do tálus, como mencionamos o processo de Stieda ou o “os trigonum” podem estar tendo o contato inadequado com a tíbia no movimento de flexão plantar. Pode também haver alteração na cápsula articular que envolve a tíbia e o tálus ou o tálus e o calcâneo (osso do calcanhar) com presença de sinovite (inflamação da membrana articular) ou espessamento da cápsula articular (o que favorece ainda mais o contato inadequado, pois o tecido está mais espesso). Outra possibilidade é haver espessamento dos tecidos da região interna do tornozelo após repetidos entorses de tornozelo em eversão. O espessamento desses tecidos vai favorecer o impacto.

 

Os principais sintomas da Síndrome do Impacto Posterior do Tornozelo são dores na região de trás do tornozelo, inchaço, limitação do movimento de flexão plantar (ponta de pé) e dor com a flexão plantar forçada.

 

 

 

 

Comentários   

#1 RAFAEL 13-06-2013 00:24
como é feito o tratamento????
Citar
#2 Claudio Rubens 25-03-2014 01:12
Oi Rafael,

em relação à fisioterapia pode-se usar um período de repouso seguido de técnicas manuais que visam aumentar a mobilidade da região, considerando-se a possibilidade de uma restrição de movimento estar causando a lesão ou dor. Avaliação do movimento e possíveis adaptações também são condutas possíveis. Porém, quando o impacto se deve à proeminências ósseas, conforme mencionado no texto, a solução definitiva é tratamento cirúrgico.

Atenciosamente,

Dr. Claudio Rubens
Fisioterapeuta
Crefito 3 - 45360-F
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

DMCA.com

Todos direitos reservados a OPTIMA FISIOTERAPIA | 2010 Desenvolvido por: Guara